Marco regulatório deve trazer segurança para a indústria

Industriais do setor da mineração de todo o Paraná participaram na quarta-feira (02) da abertura do V Seminário da Indústria Mineral Sustentável, em Curitiba, realizado pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), por meio de seu Conselho Setorial da Indústria Mineral. Durante dois dias, o grupo pretende discutir as principais questões do setor que, em breve, deve passar por mudanças, com um novo marco regulatório. O relatório final do projeto de lei 5807/2013, proposto pelo Executivo na Câmara Federal deve ser votado neste ano.

Durante a abertura do seminário, o coordenador do Conselho Setorial da Indústria Mineral da Fiep, Claudio Grochowicz, destacou os importantes avanços do setor no Paraná, como o plano de logística reversa e a participação ativa de empresários do segmento na elaboração de sugestões ao PL 5807/2013. “Temos muito o que comemorar. Conseguimos estabelecer uma união pelos interesses e desenvolvimento do setor e obtivemos resultados concretos e visibilidade nacional. Os planos de logística reversa, desenvolvidos em parceria pela Fiep e Senai, são uma inovação nesta área. Fomos pioneiros e podemos agora auxiliar outros estados a também implementarem ações mais sustentáveis”, avaliou.

O presidente da Fiep, Edson Campagnolo, destacou o associativismo como um dos principais fatores responsáveis pelas conquistas recentes da indústria mineral. “Se nos dispersarmos, será difícil avançarmos de forma representativa. Este é um ano crucial. Ano de Copa do Mundo no Brasil, com grandes melhorias para nossa infraestrutura, e também ano de eleição. Vamos aproveitar estas duas grandes oportunidades de desenvolvimento para a indústria do Paraná”, alertou.

A instalação de empresas cimenteiras no Vale do Ribeira, uma das regiões com o mais baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do estado, foi lembrada pelo secretário de estado da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Horácio Monteschio, que acredita no desenvolvimento dos municípios do vale com a geração de empregos e benefícios da indústria mineral. “Há grandes perspectivas de desenvolvimento gerado pelo setor mineral no Paraná”, disse Monteschio.

A possibilidade de criação de um novo marco regulatório é positiva para o diretor-presidente da Mineropar, José Antônio Zen. “Nosso atual código de mineração é da década de 60. Muita coisa mudou. Sabemos que em um ambiente de insegurança, não há investimento. Acredito que essa marco vai ajudar na competitividade do setor”, disse Zen, que destacou também a possibilidade de exploração de gás no Paraná e o potencial do Xisto na região dos Campos Gerais.

Palestra – A palestra de abertura com o professor-reitor da Universidade Positivo, José Pio Martins, destacou os impactos da indústria mineral na economia mundial. “A geração de energia elétrica e a revolução da eletrônica foram os principais combustíveis da economia no mundo. São dois capítulos inimagináveis sem o setor mineral”, lembrou.

O Paraná é responsável por 9% de extração e beneficiamento de minerais no Brasil. Atualmente, há 2.608 empresas do setor instaladas no estado.

Fonte: Agência FIEP